sábado, 17 de julho de 2010

'Cisão'

Siga… Boa sorte. Bons ventos nesse novo tempo. Que esse novo projeto seje o começo de uma temporada longa e feliz. Siga feliz. É tudo o que eu posso te desejar agora.

Sorria. Sorria muito. Deixe essa caretice um pouco de lado... Dance e grite em uma praia vazia. Você vai ver que não é tão horrível como soa.

Que tudo de certo pra voce daqui pra frente. Os erros passados, as entrevistas mal sucedidas, os sonhos de menino. Engraçado. Eu tento, e tentei durante muito tempo, encontrar desculpas concretas e acreditáveis de que vocÊ foi um erro na minha vida. “Podia ter sido diferente. Podia ter sido direito. Podia ter sido pra sempre”. E quem sabe não seja? O tempo que nos guiou foi justo. Um mês regado de descobertas, encontros, paixão, realidade e cor. Como te disse uma vez, não somos loucos. Muito menos sortudos. Somos abençoados. Vivemos em um encontro curto, uma vida pela qual muitos dariam tudo. Carreira, sonho, plano... vício. Vício. Você virou tudo pra mim nesse tempo. Céu, ar, poesia, norte... casa. Me deu abrigo.

Seria piegas e fraco dizer que isso e ‘apenas’ o fim? Doeu. Dói. Vai doer. Mas vai ficar bonito. É a última promessa que eu te faço. Vai se salvar bonito.

As partes ruins? Deixa elas lá. No canto, no escuro, no silêncio, junto com as palavras que eu insisto eu não pronunciar. Eu não quero te querer mal. Já chega o pouco de mal que eu lancei a mim mesma no tempo de insegurancas sobre as tantas e belas promessas que não se cumpriram. Por destino. Por sorte. Ou por fé. Mas você sabe: Eu vou sempre no caminho divido. E um dia desses, um grande amigo meu criou uma frase destinada há milênios a mim.
“É fe, e fe, meu caro, e incontestável.”

Deus nos afastou da familia, dos amigos, das nossas vidas para que nos encontrassemos em um outro oceano. Qual seria a dificuldade de um outro milagre como esse daqui algumas colheitas ou anos? Almas polidas, serenas e felizes. Foi o que faltou pra gente. Mais tempo pra conhecer a si mesmo. Você se conhecendo. Eu me entendendo. Siga, então. Siga em busca do que você acredita, das coisas bonitas, de um futuro brilhante. Quem sabe qualquer dia desses a gente não se encontra procurando uma casa, e aí, sim, na mesma cidade?


Só mais uma coisa...


Eu sinto sua falta sempre. De verdade.

2 comentários:

Vitor Andrade disse...

To numa fase de chorar pelos amores dos outros. E vou catando um pouquinho de cada amor e pondo em mim. Os fracassos, os amores mal sucedidos.
Ops! Amores nunca são mal sucedidos, minha amiga.
A grande sacada e beleza da vida é saber somar, e encontrar o lado bom.
O resto, a gente vai levando.

Te amo!

P.S.: Quanto ao grande amigo que fez essa citação da fé, aposto que ele esta sempre olhando por você, te trazendo no peito, e pronto pro que você precisar.

Moreira disse...

O Vitor me mandou umas duas vezes o link para seu blog, mas sempre esquecia de ler(sou meio lento). Lentidão deixada de lado, estou aqui e feliz por ter me alembrado. Coisa bela li aqui. Sentimento puro e fundo. Parabéns!